• ondeeudeixei

Guia prático do desapego

Quando começamos o processo Marie Kondo logo percebemos que temos muita coisa e fica mais assustador quando entendemos o quanto estamos descartando. É nessa hora que vem a pergunta: o que eu faço com tudo isso?


Pra te ajudar e não tirar teu foco do projeto preparei uma lista de onde entregar as coisas que encontro pelas casas. Dividi esse arquivo entre as categorias do processo KonMari: roupas, livros, papéis, komono e itens de valor sentimental.


Deixei bem especificado, dando opções de vários lugares que conheço o trabalho e confio, mas se quiser praticidade, no fim tem o contato de duas instituições que pegam de TUDO mesmo.


Categoria 1: Roupas

Roupas:

Roupas que estão muuuito acabadinhas a gente não doa, a gente recicla. Para fazer isso é só levar em uma das lojas da C&A, eles tem um programa em parceria com a empresa Retalhar, que desfia os tecidos e eles viram matéria-prima de indústrias de vários tipos, até automotiva.

As lojas que aceitam as doações estão nesse link https://sustentabilidade.cea.com.br/pt-br/Documents/Regulamento_Movimento_ReCiclo.pdf

A C&A também aceita roupas em bom estado para doação em parceria com o Centro Social Carisma, é só colocar na mesma caixa que eles fazem a separação, mas se você quiser pode doar pra instituições mais específicas que apoiem causas que você defende.


Outra opção que adoro é a venda porque as roupas voltam pro ciclo de vida de outras pessoas. Em Curitiba eu trabalho bastante com os brechós https://www.libelulabrecho.com/ e https://www.facebook.com/BrechoSaoFranciscoCtba já em São Paulo meu predileto é o https://www.brechocaprichoatoa.com.br/. O que eu gosto desses 3 brechós é que eles compram peças de estilos bem variados, o que facilita a vida.

Você também pode usar plataformas de venda como o www.enjoei.com.br, mas nós estamos consumindo MUITO mais roupa do que precisamos e ouço clientes reclamando frequentemente da demora (e do trabalho que dá) das vendas.


Uma coisa importante: roupa desvaloriza MUITO rápido, hoje, as fast fashions trabalham até 30 coleções por ano (antes eram 2, lembram?), então não espere receber muitos dinheiros pela peça.


Meias:


Meu projeto predileto é o http://www.meiasdobem.com.br/ da Puket. Você deixa aquele par de meia que se perdeu da irmã e as que não dão alegria em qualquer loja da rede, eles desfiam e transformam em cobertores pra aquecer quem mais precisa!


Lingerie:

Eu acho um absurdo como consumidora pagar 50 reais numa calcinha e a empresa não destinar UM SANTO REAL pra políticas de descarte de peças íntimas.

Sim, a notícia é essa: não tem solução no Brasil pra isso, a ÚNICA exceção é a http://www.ouseuse.com.br/ a empresa é de Minas Gerais, mas tem pontos de coleta em alguns lugares do Brasil, o Paraná é um deles. A iniciativa recicla lingeries para mulheres carentes e doa sutiãs pra mulheres que passaram por mastectomia: o "amigas do peito".


Bolsas, sapatos, cintos e acessórios:

Você pode encaminhar pra instituições que apoiem pessoas em vulnerabilidade social. Eu gosto muito da http://www.casaum.org/ que apoia LGBTs em São Paulo. Acredite, ninguém vai cuidar melhor das suas peças do que as pessoas que são amparadas por eles.

Em Curitiba, encaminho esses itens para o http://www.grupodignidade.org.br, que tem um trabalho parecido com o da Casa Um.


Roupa de Cama:

Em Curitiba a http://fas.curitiba.pr.gov.br/ recolhe esse tipo de material pra acolher pessoas em vulnerabilidade social. Em São Paulo você pode encaminhar para o http://www.exercitodasalvacao.org.br



Categoria 2 - Livros


Você pode doar pra instituições que ajudem crianças em vulnerabilidade social, encaminhar para o exército da salvação, mas o que eu GOSTO MESMO é de uma iniciativa em que “abandonamos livros” dentro do transporte público ou de locais públicos, como médicos, hospitais, cafés, shoppings ou qualquer outro lugar que esteja protegido da chuva.

Eu cresci na periferia de São Paulo. Minha mãe sempre incentivou minha leitura e a do meu irmão e ía no fim de semana até a biblioteca de Santo Amaro (1h de ônibus) procurar livros pra gente, mas nem todo mundo consegue fazer isso. Então, em vez da pessoa precisar ir até o livro, o livro vai até a pessoa.

Coloque um post it na capa escrito: Não estou perdido, sou livre! Leia e depois repasse! A iniciativa é conhecida como https://www.bookcrossing.com/ e você pode até colocar um código de rastreio no livro pra saber por onde ele anda!


Categoria 3 - Papéis


Coisas com nomes devem ser descartados em 3 sacolas diferentes, pra não correr o risco de alguém juntar e conseguir seus dados. Depois é só enviar pra coleta seletiva normalmente.


Exames médicos como tomografias e Raio-x tem um material tóxico ao meio-ambiente. Eu uso muito como rolo pra segurar botas de cano alto, mas se você tiver muitos e precisar descartar é só entregar em um laboratório Fleury ou A+ que eles fazem o descarte correto.


Categoria 4 – Komono

(também conhecido como dragão de komodo por mim, já que é todo o resto da casa). Pra facilitar a identificação, fiz uma divisão básica por cômodos baseada nas casas que já visitei:


COZINHA:


Utensílios de cozinha, eletrodomésticos em bom estado: em São Paulo eu uso o Exército da Salvação, em Curitiba, o Pequeno Cotolengo: eles recolhem na tua casa e vendem os itens em bazares para arrecadar fundos.


Alimentos vencidos: Retire o alimento da embalagem e coloque no lixo orgânico ou na composteira. As embalagens devem ser LAVADAS e colocadas no lixo reciclável. Precisa lavar, ou chega em estado catastrófico nas cooperativas.

Óleo de cozinha: é lixo tóxico. Em São Paulo, você pode deixar em uma das lojas da Porto Seguro http://www.portoseguro.com.br/a-porto-seguro/iniciativas-porto-seguro/programa-de-reciclagem/pontos-de-coleta/coleta-de-oleo ou em supermercados Pão de Açúcar. Em Curitiba, a prefeitura faz a coleta em muitas casas, mas você também pode deixar em uma loja do supermercado Condor https://www.condor.com.br


Embalagens: Aquele plástico pequeno da embalagem de bolacha eu coloco dentro de uma garrafa pet pra não sair voando por aí. Falando em garrafa pet, sempre jogue elas no lixo SEM a tampa. Isso facilita o processo de reciclagem.

Outra coisa que sempre perguntam é isopor, sim ele é reciclável, o problema dessa coisinha é que o volume é alto pro peso e aí muitas vezes não compensa o processo. Resultado: no Brasil, nem tudo que é reciclável é reciclado, mas a gente tem que fazer nossa parte.


Itens de festa e delivery: Talheres plásticos, pratos e trambolhinhos que chegam no delivery. Se você tiver poucos, coloque pra jogo e depois coloque no reciclável (limpos, hein?), mas já peguei clientes com MUITA coisa acumulada. A solução nesse caso é doação, mais uma vez: Exército da Salvação ou Pequeno Cotolengo. E já sabe né? Coloca como observação no aplicativo pra não enviarem mais.


QUARTO DO FILHO:


Quando o assunto é criança eu sempre indico conversar com a amiga e o amigo que também tem filhos. A troca é o que mais funciona, já que os itens de criança quase não são usados.


Roupas: muitas escolas hoje promovem bazares para troca de peças, converse com a direção da escola do seu filho. Outra opção é procurar brechós. Eu recomendo o https://www.repassa.com.br/ e https://www.ficoupequeno.com/ uma espécie de enjoei, só pra coisas de crianças.


Brinquedos:

QUE PRECISAM DE PILHA podem ser doados em campanhas natalinas ou escolas

QUE NÃO USAM pilha podem ser encaminhados para escolas, creches, brinquedoteca do prédio, mas um cliente de 7 anos me deu uma ótima ideia: ele pediu pra embrulhar e entregar pra crianças que estavam na rua, como presente.


Livros: é só você bater em qualquer escola pública ou creche perto da sua casa. Acredite, é MUITO necessário.


BANHEIRO


Remédios vencidos:

Muita gente não sabe, mas eles NÃO podem ir no lixo convencional. A caixinha de papelão e a bula vão para o lixo reciclável, a bisnaga ou o alumínio, assim como comprimidos vencidos, precisam ser encaminhados para um hospital, UBS ou farmácias. Em Curitiba, você pode procurar a Panvel mais próxima da sua casa (a lista tá aqui do lado) https://www.panvel.com/panvel/nossas-lojas/filtros/destinoCerto._ em São Paulo, procure por uma loja da Eurofarma https://www.eurofarma.com.br/responsabilidade-compartilhada/meio-ambiente/descarte-correto-de-medicamentos/


Cosméticos

Use o shampoo como lava-roupa e o condicionador ou creme de pentear como amaciante. Se quiser descartar diretamente, é só abrir embaixo do chuveiro e encaminhar os potes pro reciclável, a mesma coisa com pasta de dente. Protetor solar tem descarte especial igual medicamento, viu? Leve na farmácia.


A MAC https://m.maccosmetics.com.br/ tem um programa de logística reversa bem legal: leve o produto da marca na loja e a cada 3 descartados você ganha um batom. A https://br.loccitane.com/ está começando agora com um projeto parecido, mas quem ganha meu coração mesmo é o Boticário. É só deixar todo e qualquer cosmético lá, de qualquer marca, que eles fazem o processo de descarte.

Ah, não podemos esquecer da parceria da Avon com a https://www.terracycle.com/pt-BR/brigades/programa-de-reciclagem-avon, você coloca os cosméticos numa caixa e manda via correio. Só fique atento porque o programa é sazonal.


Esmaltes: Do combo cosméticos eles são os mais noviços e por isso coloquei separadamente. Sabe aquele papel que vai ser descartado? Vire os esmaltes vencidos nele, coloque acetona no vidrinho pra limpar e descarte o vidro no reciclável. A outra opção é entregar em um dos pontos de coleta da Riqué http://www.risque.com.br/blog/?p=1014


Área de serviço e garagem:


Artigos pets:

De gaiola até ração que o gato não gastou, passando pela caminha do cachorro que virou estrelinha e o remédio do coelho. Você pode doar esses itens nas lojas da Cobasi. As ONGs AMPARA Animal e Vira-Lata é 10 são algumas das beneficiadas pelo programa. A ação acontece no Brasil inteiro, se você for de São Paulo, as lojas da Augusta e Tietê fazem parte da ação, em Curitiba, a loja Barigui participa. Você pode saber mais em https://www.cobasi.com.br/projetos-sociais

Em São Paulo, outro projeto que conheço e confio é o https://www.facebook.com/moradoresderuaeseuscaes/, as ações acontecem mensalmente e a página sempre divulga os locais de doação.

Produto de limpeza: jogue o líquido no vaso sanitário e descarte a embalagem limpa em material reciclado, você pode doar para instituições caso ele não esteja vencido, em Curitiba já encaminhei para o http://cravi.org.br/novo/services-icon/

Veneno: tem que ir pra ecoponto porque é tóxico. Altamente tóxico. https://coletalixo.curitiba.pr.gov.br/lixo-toxico você encontra os pontos de Curitiba e no link ao lado os de São Paulo https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/amlurb/ecopontos/index.php?p=4626

Restos de obra

Resto de piso, de massa corrida... você precisa procurar um ecoponto pra descartar essas coisas, geralmente meus clientes têm menos de 18 sacos, que é o limite para descarte nos ecopontos de São Paulo https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/amlurb/ecopontos/index.php?p=4626.

Em Curitiba, você pode agendar a retirada pelo aplicativo da prefeitura ou pelo 156 http://www.central156.org.br/conteudo/coleta/24

Tintas me dão desespero também. As feitas de Látex devem ser secas (é só abrir o pote) e depois enviada para aterro, a lata pode ser reciclada. A salvação são as lojas de São Paulo da https://www.leroymerlin.com.br/ Se você for de Curitiba, procure a https://www.balaroti.com.br/

Outra opção (e minha preferida) é a doação: vizinhos, escolas, porteiro do prédio... muita gente pode precisar de um pouquinho de tinta. Em São Paulo, a https://www.fundacaojulita.org.br/ e https://habitatbrasil.org.br/ são algumas das organizações que aceitam o material, mas você pode ter uma relação bem completuda no maravilhoso portal https://www.sobradaobra.com.br/

Restos de móveis

Cata-bagulho é uma operação da prefeitura de São Paulo que realmente funciona. O caminhão roda a cidade durante a noite recolhendo os materiais que precisam ser descartados. Você deixa na rua NO DIA DA COLETA, e pronto, a prefeitura faz o resto. Você encontra nesse site https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/noticias/index.php?p=250455 os dias, horários e trajetos do caminhão.

Sala, escritório e quartinho da bagunça:

Bateria, pilha, lâmpadas... isso NÃO é lixo eletrônico, isso é lixo tóxico.

Quando o assunto é coleta seletiva, Curitiba ganha de 10 de São Paulo e você pode conferir aqui o horário que o caminhão passa pertinho da tua casa pra recolher essa coisarada toda https://coletalixo.curitiba.pr.gov.br/lixo-toxico

Se você for de São Paulo, encaminhe para uma das lojas do Grupo Pão de Açúcar que participam disso: https://content.paodeacucar.com/sustentabilidade/estacoes-de-reciclagem-pao-de-acucar

Outra opção é levar em um dos Ecopontos da cidade: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/subprefeituras/amlurb/ecopontos/index.php?p=4626


Eletrônicos:

Celulares podem ser encaminhados para as lojas que produzem essas belezinhas, como Samsung, Apple... Itens que estão funcionando podem ser doados para o Exército da Salvação e o Pequeno Cotolengo. Cabos devem ser descartados como coleta seletiva. CDs e DVDs são parte dessa categoria.


Material de escritório:

Lápis, borracha, caneta, clips e elástico podem ser doados para instituições que atendem crianças ou encaminhados para os centros de coleta da Faber Castell: no link ao lado você encontra os pontos de recolhimento em São Paulo e em Curitiba https://www.google.com/maps/d/viewer?mid=1S3vHWDpMnJdu94R5UAMCzoS0Q93shr1l&ll=-14.1965840712403%2C-49.46858665000002&z=4

Artesanato e Instrumentos Musicais:

A ONG http://arcadosaber.org/como-ajudar/ recebe materiais ligados a artesanato. Instrumentos musicais podem ser encaminhados para www.casadozezinho.org.br , ambos ajudam crianças em vulnerabilidade social.

Se tecido for o problema, em Curitiba você pode procurar o http://bancodetecido.com.br/ eles aceitam doações e trocam também, pode ser maiorzinho ou retalho =)

Itens de valor emocional:

Nessa categoria a gente encontra itens que são presentes em outras partes da casa, então se você passou por Komono já sabe pra onde enviar, mas existem algumas exceções:

Itens de decoração, como aquele bibelô de viagem que você descobriu que não ama: eu uso o exército da salvação em São Paulo, acredite MUITA gente mobília a casa por lá e aquele item pode ser um destaque muito amado.

Fotos: se a foto é muito antiga, saiba que ela tem um componente que impede a reciclagem do material, nesse caso, procure o ecoponto em São Paulo ou ligue 156 se estiver em Curitiba. Caso a foto seja recente, a impressão é digital e aí pode ser encaminhada para a coleta seletiva.

Praticidade e Apego – Casos especiais

Se quiser praticidade, em São Paulo chame o Exército da Salvação, eles vão até a tua casa e recolhem, mas particularmente eu prefiro fazer isso depois que o cliente terminou o projeto, já que essa instituição aceita MUITA coisa mesmo. Até móveis já encaminhei pra eles. A mesma coisa acontece com o http://www.pequenocotolengo.org.br/ em Curitiba. O hospital faz bazares mensais com as doações pra arrecadar fundos e ajudar crianças com deficiências.

0 visualização

©2019 by Onde eu deixei.

+55 11 98518 0078