• ondeeudeixei

O que fazer com as coisas do ex?


Criados sob a cultura do “Felizes para sempre”, quando terminamos um relacionamento experimentamos a sensação de fracasso. Independentemente se vivemos momentos alegres ou de quem partiu o término.


Os objetos que trazemos dessa relação - cartas, presentes, lembranças de viagens - tornam-se amargos num primeiro momento porque representam “o que não deu certo” e escancaram a frustração, mas aos poucos - com a elaboração do sentimento - entendemos que são parte do nosso aprendizado.


Por isso, recomendo que ao término da relação retire os objetos de vista e coloque em uma caixa de difícil acesso. Não jogue fora porque a intensidade do sentimento atrapalha nosso poder de decisão e quando terminamos um relacionamento de muito tempo - ou muito intenso - precisamos de tempo para separar o nosso “eu” do “outro”. É um momento de revisão de rotinas, hábitos e até amizades.


Quando isso estiver estabelecido - geralmente umas semanas são necessárias - encare a caixa novamente. Primeiro avalie o que não faz mais sentido, desapegue de objetos que não gosta e mantenha objetos que te trazem apenas sentimentos bons. É importante dizer que só podemos desapegar do que é nosso. Itens compartilhados devem ser discutidos e os que são da outra pessoa, devolvidos.

É provável que você se desfaça de muita coisa nesse momento, já que as emoções não estão mais à flor da pele, mas às vezes, mais visitas são necessárias com o passar do tempo.


Claro, a decisão de manter ou não um objeto depende muito do tipo de relação que atravessamos. No caso das sadias, conseguimos desassociar, já em relacionamentos que envolvem abuso ou violência física ou mental os itens podem desencadear sofrimento psíquico e emocional.


Casos como esses muitas vezes precisam de um ritual de encerramento - algumas pessoas passam por experiências tão traumáticas que só a destruição do objeto é capaz de abrir caminho para o novo. Já assisti um casaco da Burberry sendo cortado em mil pedacinhos. Não adiantava vender ou doar, a peça carregava uma história tão ruim que não podia mais existir.


Outras pessoas precisam dar um novo propósito a ele. É uma forma de entender que algo de bom foi tirado daquela relação. Nesse caso, a doação para projetos sociais é uma opção interessante. Uma ex-bagunceira precisava de um projeto incrível para tirar um instrumento musical repleto de tristeza da vida dela. Procuramos semanas até encontrarmos uma organização que ensinava música para crianças.

Se você foi acompanhado por um psicólogo ou psicanalista é interessante levar aquele objeto que você não gosta nem de olhar pro divã. Assim vai conseguir entender o momento específico que ele simboliza e encerrar o ciclo.


Uma ex-bagunceira que passou pelo processo comigo e vivenciou uma relação abusiva apelidou as coisas que encontrava do ex como Horcrux - uma referência à magia dos livros de Harry Potter, em que o bruxo guardava sua alma em objetos - A analogia é ótima para entender que eles carregam e representam sentimentos e o que antes era alegre, pode não ser mais e muitas vezes assombrar o presente e o futuro.


Isso não significa que precisamos nos desfazer de tudo. Alguns presentes muitas vezes representam tanto nossa personalidade, experiências e anseios que o fato de ser dado por um ex não faz a menor diferença e cai no esquecimento frente à representação do nosso eu. Manter uma foto ou outra e até algum bilhete também não significa que estamos apegados ao relacionamento - pode ser só uma forma de ter uma memória física do que passamos.


Não é porque o relacionamento teve fim que conseguimos ou precisamos apagá-lo completamente da nossa história, afinal os aprendizados que tivemos com essa relação é o que aguça e lapida nosso olhar para que possamos nos encontrar ou encontrar um outro alguém para partilhar o futuro.






0 visualização

©2019 by Onde eu deixei.

+55 11 98518 0078